CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

terça-feira, 18 de julho de 2017

AVISO DE UM FILÓSOFO - A PHILOSOPHER'S WARNING - OLAVO DE CARVALHO - THE "OPEN SOCIETY" CONCEPT HAS BEEN USED TO DESTROY THE USA - ENGLISH/PORTUGUÊS

A PHILOSOPHER'S WARNING

JR Nyquist

February 18, 2011

This week I had the pleasure of interviewing the Brazilian philosopher, and president of the Inter-American Institute, Olavo de Carvalho. During the conversation I suggested that something is wrong with our thinking today; that we don’t worship in the same way, or obey the rules in the same way, or observe common courtesy as we once did. “To someone like me,” he began, “who visited this country in the 1980s, and came back to live here in 2005, the changes that the American mind has undergone in recent decades are really shocking.”

Carvalho recommended that I read Tamar Frankel’s book, Trust and Honesty: America’s Business Culture at the Crossroad, which, he explained, “describes the alarming decline of moral standards in the American business world….” According to Frankel’s book, the erosion of trust and honesty has to do with a rising acceptance and justification of fraudulent practices. “What has changed,” she writes, “is the attitude towards dishonesty and breach of trust. Today, there is a greater acceptance and more justification of dishonesty.” How did this come about? With the removal of certain barriers to fraud, temptation has increased.

Carvalho has his own insights into the causes of moral and intellectual deterioration in America: “One of the factors that has brought about this change, with its highly corrosive consequences in the daily lives of Americans, was the fashionable ‘neo-liberalism,’ which saw the business world as a self-regulatory power, able to override morality, religion, and culture and to dictate standards of conduct based on the supposedly miraculous power of market laws. What made the greatness of America was not just the free market economy, but a synthesis of this with Christian morals and with a culture that included love of country and family. Separated from these regulating forces, the capitalist economy becomes an engine of self-destruction, which is exactly what is happening today.”

Undoubtedly, there is truth in the assertion that traditional American society has collapsed, being replaced by “the open society,” so named by George Soros and Karl Popper. According to Carvalho, the open society defines itself as “not recognizing any transcendent values and by leaving everything at the mercy of economic conveniences – conveniences that are something alleged even to justify the very demolition of the free market and its replacement by the welfare state, based upon taxation and debt.” In other words, Carvalho is saying that the free market doesn’t make men good. It does not train them to be moral. It does not bother to defend itself against socialism. Those elements in society that previously instilled moral values are no longer as effective, if they are effective at all.

It is Carvalho’s view that the “open society” concept has been used by the nation’s enemies to destroy “everything that is good and great in this country.” He then pointed to the Russian geopolitical thinker, Alexander Dugin, and “the emerging Russian-Chinese scheme….” Using a subtle propaganda, noted Carvalho, the “open society” becomes a pretext for fostering widespread global hatred against the United States. For the “open society” produces moral degradation that is subsequently blamed on the American way of life, which supposedly demonstrates the special wickedness and decadence of the American people. This leads directly to a discussion of the evils of American cultural imperialism — the rallying cry of Russian and Chinese strategists whose goal is the elimination of the United States as a world power. The effectiveness of this approach should not be underestimated. As Carvalho explained, “The Russian-Chinese influence has been growing more and more in Latin America. The U.S. Government has missed this because it still sees Russia and China as allies, in spite of the fact that they are the two largest weapons suppliers to terrorism around the world. One must remember that the Putin government’s foreign policy is today guided by the so-called ‘Eurasian’ strategy, invented by Russian philosopher Alexander Dugin, who proposes that Russia, China, and Islam ally with all the anti-American forces in Western Europe, Africa and Latin America, for the purpose of laying final siege to the United States. This strategy already has strong military support in the Shanghai Cooperation Organization, a kind of eastern version of NATO, which brings together Russia, China, Kazakhstan, Kyrgyzstan, Tajikistan, and Uzbekistan.”

I asked Carvalho about recent reports of a deal between Islamic Iran and communist Venezuela to build a strategic missile base aimed at the United States. I asked if the Marxists of South America were allied with al Qaeda and Tehran. “Yes, they are,” he replied. “They are also allied with the ETA, which is a Basque terrorist organization. There are lots of agents of these organizations in Hugo Chavez’s entourage. This fact is not unknown to many Latin American governments, but most of them are committed to remaining silent about it because of the agreements they signed as members of the Sao Paulo Forum, the spearhead of the communist movement in Latin America.”

I then asked Carvalho to name the countries working with the terrorists worldwide for the destruction of the United States. He replied as follows: “Iran, Syria, North Korea, Cuba, Russia, and especially China are the main ones. In Latin America, Venezuela is the most obvious example, but Venezuela would be nothing without the support it gets from all the governments of the Sao Paulo Forum, the leader of which is Brazil.”

According to Carvalho, the Left continues to consolidate its position in Latin America. “It has been following a strategy explicitly presented in a Chinese communist congress a few years ago: to take power by means of legal elections and then erode the democratic system from the inside to prevent the opposition from ever coming back to power in future elections,” he explained. “This is to say: they win a first match and then proceed to change the rules of the game. In Brazil this strategy has led to spectacular results. First, the idea was to limit the political field to only two contestants: radical Left and moderate Left. All other forces were dismantled by means of targeted tax audits and corruption charges which did not even need to be proved, since they destroyed reputations once and for all as soon as they were trumpeted by the media.”

Could America’s traditional ally in South America be under the control of a totalitarian movement? How could we miss such an astonishing development? “American opinion-makers have a wrong view of Brazil,” said Carvalho, “because the Brazilian government has always acted in a two-faced and camouflaged way. On the one hand, it has been courting American investors to strengthen the Brazilian economy, but on the other, it has been taking advantage of economic success in order to consolidate the Leftist sway at home, to make impossible any political opposition which is not that of the moderate left, and to give effective support to the rise of the Left in neighboring countries, while protecting openly terrorist organizations like the FARC and the Chilean MIR, which thus have ended up controlling the local criminal organization and getting the monopoly of the drug market in Brazil. In Venezuela, Hugo Chavez has also dismantled the opposition, but using more blatant methods.”

Since Brazil harbors the core of the communist movement in Latin America, how is the anti-American campaign progressing? According to Carvalho the Left is not always able to move forward. “It follows an alternating rhythm,” he explained, “according to whether the important thing at the moment is to flatter foreign investors or to unify and strengthen the Latin American Left.”

“For more than ten years,” Carvalho noted, “I have been warning that the Worker’s Party [in Brazil] is not an organization like the others; that is, willing to alternate with the opposition in power. The Worker’s Party is a revolutionary organization committed to reshaping the state and the entire society after its image and likeness, by using, for this purpose, the vilest and most corrupt resources. Since no one has ever believed any of this, everyone has kindly disarmed himself in the face of this rising party, and now that it controls everything, no one can do anything against it. Brazil is governed by a single party which has several names. I see no prospect of changing this situation in the short or medium term.”

I asked Carvalho about Chile, which turned away from the Left in its last elections. Of all the countries in South America, what is the secret of Chile’s apparent conservatism? “The Chilean elite is infinitely more educated and better morally prepared than the Brazilian elite,” he replied. “When things start to move towards the abyss, the Chileans are able to understand what is happening and change course before disaster occurs. You cannot imagine the intellectual laziness of Brazilian businessmen, politicians and military people. Even when the situation becomes alarming, they cling to their comfortable and usual beliefs and refuse to inform themselves on what is really happening. The wealthy classes in Brazil are presumptuous and helpless. They do not know how to resist the subtle game of blandishments and threats played by the Leftist government that controls them. Not only in Chile but also in Argentina, the elites are much better prepared to face such a situation.”

And what is the most important thing Americans should know about the present political situation in South America? “The most important thing,” said Carvalho, “is the deep and solid unity of the local Leftist movements across national borders, the unity of the revolutionary strategy that lies behind seeming and misleading differences of national character. There are no ‘two Lefts’ in Latin America. There is only one Left, which has so much solidarity with itself that it never loses control of the two faces it employs to fool American observers.”

Hearing Carvalho characterize the Brazilian business and political elite as intellectually lazy, I could not help thinking of the American elite. They have also refused to changed course in the face of approaching disaster. Even as the situation becomes alarming, they spend more and more money. They court enemies and betray allies. It is true, as well, that they “do not know how to resist the subtle game of blandishments and threats played by the Leftist” power.

JR Nyquist

http://www.olavodecarvalho.org/a-philosophers-warning/

jrnyquist@aol.com 

JRNyquist.com
http://www.jrnyquist.com/

http://financialsense.com/contributors/jr-nyquist/a-philosopher-warning

JEFFREY NYQUIST
http://midiasemmascara.org/author/jeffrey-nyquist/

UPDATE BRAZIL
https://www.youtube.com/playlist?list=PL2wuZQFPMbL8HBud9kY-7PIwMT_1BcLxp
 


Aviso de um filósofo
Jeffrey Nyquist
27 de fevereiro de 2011 -

Carvalho me recomendou a leitura do livro de Tamar Frankel Trust and Honesty: America’s Business Culture at the Crossroad [Confiança e Honestidade: A Cultura Americana dos Negócios em uma Encruzilhada], o qual, ele explicou, “descreve o declínio alarmante dos padrões morais no mundo americano dos negócios…” De acordo com o livro de Frankel, a erosão da confiança e da honestidade tem a ver com a aceitação e a justificação crescente de práticas fraudulentas. “O que mudou”, escreve ela, “é a atitude em relação à desonestidade e a quebra da confiança. Hoje, há uma maior aceitação e mais justificação da desonestidade.” Como isso aconteceu? Com a remoção de certas barreiras à fraude, a tentação aumentou.

Carvalho tem sua própria maneira de discernir as causas da deterioração moral e intelectual dos Estados Unidos. “Um dos fatores que causou esta mudança, com suas consequências altamente corrosivas para a vida diária dos americanos, foi o “neo-liberalismo” em voga, que via o mundo dos negócios como um poder auto-regulatório, capaz de se sobrepor à moralidade, à religião e à cultura e de ditar padrões de conduta com base no poder supostamente milagroso das leis do mercado. O que tornou os EUA grandes não foi só a economia de livre mercado, mas uma síntese disso com a moralidade cristã e com uma cultura que incluía o amor ao país e à família. Separada dessas forças regulatórias, a economia capitalista se torna um motor de auto-destruição, que é exatamente o que está acontecendo hoje.”

Sem dúvida, há muita verdade na afirmação de que a sociedade americana tradicional sofreu colapso, sendo substituída pela “sociedade aberta”, assim batizada por George Soros e Karl Popper. De acordo com Carvalho, a sociedade aberta se define como “não reconhecendo nenhum valor transcendente e deixando tudo à mercê de conveniências econômicas – conveniências que se alegam até para se justificar a própria demolição do mercado livre e sua substituição pelo estado de bem-estar social, baseado em taxação e dívida.” Em outras palavras, Carvalho está dizendo que o livre mercado não torna os homens bons. Ele não os treina para serem morais. Ele não se dá ao trabalho de se defender do socialismo. Esses elementos na sociedade que no passado instilavam valores morais não são mais tão eficazes, se é que têm alguma eficácia.

Carvalho é de opinião que o conceito de “sociedade aberta” está sendo usado pelos inimigos dos EUA para destruírem “tudo o que é bom e grande neste país.” Ele então menciona o pensador geopolítico russo Alexander Dugin, e “o emergente projeto russo-chinês…”. Usando uma propaganda sutil, observa Carvalho, a “sociedade aberta” se torna um pretexto para difundir ódio global generalizado contra os Estados Unidos, pois a “sociedade aberta” produz uma degeneração moral que é, em seguida, atribuída ao modo americano de vida, o que supostamente demonstra a perversidade e decadência particulares do povo americano. Isso leva diretamente a uma discussão sobre os males do imperialismo cultural americano – o grito de guerra dos estrategistas russos e chineses, cujo objetivo é a eliminação dos Estados Unidos como potência mundial. A eficácia desta estratégia não deve ser subestimada. Como explica Carvalho, “A influência russo-chinesa tem crescido cada vez mais na América Latina. O governo dos Estados Unidos não percebeu isso porque ainda vê a Rússia e a China como aliados, apesar do fato de que eles são os dois maiores fornecedores de armas para o terrorismo ao redor do mundo. É preciso lembrar que a política externa de Putin é hoje guiada pela tão chamada estratégia “eurasiana”, inventada pelo filósofo russo Alexander Dugin, que propõe que a Rússia, a China e o islamismo se aliem com todas as forças anti-americanas na Europa Ocidental, na África e na América Latina, com o propósito de fazerem um cerco final aos Estados Unidos. Essa estratégia já tem forte apoio militar na Organização de Cooperação de Xangai, um tipo de versão oriental da OTAN que reúne a Rússia, a China, o Cazaquistão, o Quirguistão, o Tajiquistão e o Uzbequistão.”

Perguntei a Carvalho sobre reportagens recentes de um acordo entre o Irã islâmico e a Venezuela comunista para construírem uma base estratégica de mísseis apontados para os Estados Unidos. Perguntei se os marxistas da América do Sul estavam aliados à Al Qaeda e Teerã. “Sim, estão,” respondeu ele. “Eles também estão aliados ao ETA, que é uma organização terrorista basca. Há muitos agentes dessas organizações no séquito de Hugo Chávez. Esse fato não é desconhecido de muitos governos latino-americanos, mas a maioria deles tem o compromisso de ficar de boca fechada sobre isso por causa dos acordos que assinaram como membros do Foro de São Paulo, a organização que lidera o movimento comunista na América Latina.”

Eu então pedi a Carvalho para dar os nomes dos países trabalhando com os terroristas em todo o mundo para destruir os Estados Unidos. Ele respondeu assim: “Irã, Síria, Coreia do Norte, Cuba, Rússia e especialmente a China são os principais. Na América Latina, a Venezuela é o exemplo mais óbvio, mas a Venezuela não seria nada sem o apoio que recebe de todos os governos do Foro de São Paulo, cujo líder é o Brasil.”

De acordo com Carvalho, a esquerda continua a consolidar sua posição na América Latina. “Ela tem seguido uma estratégia que foi explicitamente apresentada em um congresso comunista chinês há poucos anos: tomar o poder por meio de eleições legais e então erodir o sistema democrático a partir de dentro, para impedir a oposição de voltar ao poder em eleições futuras,” explica ele. “Ou seja: eles vencem uma primeira disputa e em seguida passam a mudar as regras do jogo. No Brasil, esta estratégia tem levado a resultados espetaculares. Primeiro, a idéia era limitar o campo político a apenas dois disputantes: a esquerda radical e a esquerda moderada. Todas as outras forças políticas foram desmanteladas por meio de auditorias fiscais seletivas e acusações de corrupção que sequer precisavam ser provadas, já que elas destruíam reputações para sempre, assim que eram proclamadas em voz alta pela mídia.”

Poderia o aliado tradicional dos Estados Unidos na América do Sul estar sob o controle de um movimento totalitário? Como poderíamos não ter percebido um acontecimento tão espantoso? “Os formadores de opinião dos Estados Unidos têm uma visão errada do Brasil”, diz Carvalho, “porque o governo brasileiro sempre agiu com duas caras e de modo camuflado. Por um lado eles cortejam os investidores americanos para fortalecerem a economia brasileira, mas por outro eles tiram proveito do sucesso econômico a fim de consolidarem o poder esquerdista em casa, tornarem impossível qualquer oposição política que não seja da esquerda moderada, e darem apoio efetivo à ascensão da esquerda nos países vizinhos, enquanto protegem organizações abertamente terroristas como as FARC e o MIR chileno, que assim acabou controlando o crime organizado local e ganhando o monopólio do mercado das drogas no Brasil. Na Venezuela, Hugo Chávez também desmantelou a oposição, mas usando métodos mais crassos.”

Já que o Brasil abriga a parte mais importante do movimento comunista na América Latina, como tem progredido a campanha antiamericana? De acordo com Carvalho, a esquerda nem sempre consegue avançar. “Ela segue um ritmo alternante”, explica ele, “dependendo de se o importante no momento é adular os investidores estrangeiros ou unificar e fortalecer a Esquerda latino-americana.”

“Há mais de dez anos”, observa Carvalho, “eu tenho alertado que o Partido dos Trabalhadores (no Brasil) não é uma organização como as outras; ou seja, disposta a se alternar no poder com a oposição. O Partido dos Trabalhadores é uma organização revolucionária que tem o compromisso de remodelar o Estado e da sociedade inteira à sua imagem e semelhança, usando, para esse fim, os meios mais vis e corruptos. Como ninguém nunca acreditou em nada disso, todos se desarmaram gentilmente em face desse partido em ascensão e agora que ele controla tudo, ninguém pode fazer nada contra ele. O Brasil está sendo governado por um só partido com muitos nomes. Não vejo perspectiva mudança dessa situação no curto ou médio prazo.”

Perguntei a Carvalho sobre o Chile, que se desviou da esquerda nas últimas eleições. De todos os países na América do Sul, qual é o segredo do aparente conservadorismo do Chile? “A elite chilena é infinitamente mais educada e moralmente mais bem preparada do que a elite brasileira,” responde ele. “Quando as coisas começam a caminhar para o abismo, os chilenos conseguem entender o que está acontecendo e mudar de curso antes que o desastre ocorra. Você não consegue imaginar a preguiça intelectual dos empresários, políticos e militares brasileiros. Mesmo quando a situação se torna alarmante, eles se aferram a suas crenças confortáveis e costumeiras e se recusam a se informarem sobre o que está de fato acontecendo. As classes ricas no Brasil são presunçosas e indefesas. Elas não sabem como resistir ao jogo sutil das lisonjas e ameaças jogado pelo governo esquerdista que as controla. Não só no Chile, mas também na Argentina, as elites estão muito mais bem preparadas para enfrentar tal situação.”

E qual é a coisa mais importante que os americanos precisam saber sobre a presente situação política na América do Sul? “A coisa mais importante”, diz Olavo, “é a profunda e sólida unidade dos movimentos esquerdistas locais, que ultrapassa das fronteiras das nações; a unidade da estratégia revolucionária subjacente às diferenças aparentes e enganadoras de caráter nacional. Não há isso de ‘duas esquerdas’ na América Latina. Há apenas uma esquerda, que tem tanta solidariedade consigo mesma que nunca perde controle das duas caras que emprega para tapear os observadores americanos.”

Ouvindo Carvalho caracterizar a elite empresarial e política brasileira como intelectualmente preguiçosa, eu não pude deixar de pensar na elite americana. Eles também se recusam a mudar de curso em face do desastre que se aproxima. Mesmo quando a situação se torna alarmante, eles gastam mais e mais dinheiro. Eles cortejam os inimigos e traem os aliados. É verdade, também, que eles “não sabem resistir ao jogo sutil das lisonjas e ameaças” jogado pelo poder esquerdista.

Original: A Philosopher’s Warning

Tradução: Dextra
http://midiasemmascara.org/arquivos/aviso-de-um-filosofo/

OLAVO DE CARVALHO IN ENGLISH
http://www.olavodecarvalho.org/category/english/
https://www.youtube.com/channel/UC4xsj-xJYlAbT0PXb2PVLaw/vídeos
https://olavodecarvalhofb.wordpress.com/2016/10/09/olavo-in-english/

Update Brazil
 https://youtu.be/ePPKE62NWiY?list=PL2wuZQFPMbL8HBud9kY-7PIwMT_1BcLxp

Resurgent Communism in Latin America
 http://www.olavodecarvalho.org/resurgent-communism-in-latin-america/

ELECTORAL FRAUD - Brazil's rigged democracy... English / Português - Olavo de Carvalho
https://youtu.be/8iOI7A8AbWA

O Triunfo do Marxismo Cultural - The Triumph of Cultural Marxism - Olavo de Carvalho, Cliff Kincaid e Jerry Kenney
https://youtu.be/O4raFHTlyjU

BLOQUEANDO O NOVO EIXO DO MAL - CONSTANTINE MENGES TINHA RAZÃO
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2014/03/bloqueando-o-novo-eixo-do-mal.html

Olavo de Carvalho on Progress, Utopia, History, Poverty, and Spiritual Life
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/07/olavo-de-carvalho-on-progress-utopia.html

OLAVO DE CARVALHO E A OTAN - Bate papo descontraído entre eu (Aécio Melo), e um ex militar dos EUA que ficou na OTAN, Rob Mark. Onde Rob deixa claro a importância de ter aprendido mais com Olavo do que tudo que tinha aprendido dentro da Otan, e como muito isso influencia dentro da OTAN, a ponto de ir visitar Olavo de Carvalho.
https://youtu.be/FydengtTip0


Nenhum comentário:

Postar um comentário