DOMINGO REZE UM MINUTO

Seguidores

terça-feira, 17 de novembro de 2015

DESTRUIÇÃO E BUSCA PELO PODER DEFINEM O COMUNISMO - REVOLUÇÃO CURTURAL

 

Quem se contenta com um sistema em que tudo é definido por relações de poder? Só os psicopatas e assemelhados. COMUNISMO É FEITO POR E PARA PSICOPATAS.

Textos de B. O. Rothschild:

Dois caipiras filosofando

— Cumpade Mané da Breca, tu tá veno aquele toco?
— Não, cumpade Zé do Gado, num tô veno toco nenhum O toco que tu tá veno, só ixeste na tua cabeça.
— I é?
— Pru Deus do céu.
— Antão tu num tá veno aquele toco ali, bem na frente do teu nariz?
— Inté que tô, mais num é o toco que tu tá veno. O toco meu num tem nada a vê cu toco teu. Cada um zóia pra fora e enxerga pa drento.
— Viche Maria, mais antão do que a gente tamo falano?
— De nada não, quando duas pessoas se falam, nem elas mema sabem do que tão falano.
— Ainda que mal lhe pregunte, cumo é antão que se chegam nos acordo?
— Se concordam sobre os própios interesse. Ninguém vai perdê tempo em discuti se uma coisa é ou não é o que é. Toda discussão dos iletrado ou marletrado, gira em tomo do que cada um qué que a coisa seje. Ganha quem falá mais. É desse jeito que a militança marxista engana os Guverno. Bota a boca no mundo, e o mundo caba querditano que os linguarudo tão ca razão.
— Adondé qu'ocê foi tirá uma safadeza dessas, Nome de Deus?
— Por aí, tu ainda num foi pulitizado, num tá sabeno das coisas...
— Vamo mudá o rumo dessa prosa, que eu já tô de saco cheio com essas lorota. Se fo pa minti desse jeito, os Governo pode cuntinuá cumo tão; se ansim tá ruim, cum mintira fica mais pió. Percisamo, isso sim, é de alertá os capinadô de mio, os cortadô de cana e todos quanto vexe na lida da roça, pamode num dá ovido a essas cunversa fiada não. O que eles quê cum essa tar de pulitização, é mudá o arfabeto dento da nossa cabeça, na arrumação dum dialeto invertido e usá a nossa força pa derrubá o governo; derramá o sangue de nossos irmão no perjuro da nação, pamode, finarmente, botarem a bunda no trono e deixá nóis no abandono...
Num vem purriba de nóis cum essas lorota não, cambada de vagabundo, qui nóis vai fazê vancêis inguli toda a merda qui cagam na sociadade, com o Cu da inducação. Tenho dito.



****

— Um marxista não sofre, faz os outros sofrerem. Aliás nem poderia, não tem individualidade, assume uma personalidade gregária e o papel subserviente de expressão da alma coletiva, movida pela ambição do poder e o espírito de destruição. Só se reúnem em tomo destes objetivos: mentir, depredar, saquear, roubar e matar. Como não têm individualidade, podem se esbaldar na prática de todos os crimes, que o bando assume a responsabilidade de seus atos. Não havendo sanção contra delitos coletivos, as sociedades contemporâneas se precipitam no abismo, através da prática desse crime hediondo. Não se pode, portanto, pensar em masoquismo na conduta marxista, nem tão pouco o filme a que acabamos de assistir é uma aula prática de Educação Homossexual. Somos religiosas, temos voto de castidade, não aprovaríamos, de forma alguma, tal comportamento entre nossos alunos.

— Como se explica então o fato de que...

— É muito simples, o incesto dramatizado na aula, é apenas uma imagem grosseira de nossa rotina pedagógica. O incesto de que falamos não acontece no corpo, mas, na mente. E na razão que o marxismo violenta suas vítimas, e elas não podem perceber que estão sendo violentadas, têm mesmo é que gostar do negócio... A prostituição da mente

****

Dificuldades - A maior dificuldade na tarefa da desmistificação do marxismo é provar que ele não somente é improdutivo como desprodutivo, isto é, além de não produzir nada, destrói a produção alheia, é arrancar-lhe a máscara de salvador da Pátria, solucionador da miséria humana, defensor da orfandade, da criança abandonada, dos sem-terra, acusador de uma condição humana deplorável, já por conta do sistema e agravada mais ainda pela sua própria ação predatória. Ele aponta soluções, promete mundos e fundos ao necessitado, materializa uma visão da própria Jerusalém celeste, em troca de sua vida como bucha de canhão, nas trincheiras da revolução. Pega o peixe pela boca, que morde a isca e vai parar na panela. Será que não se percebe que a ambição pelo poder é a única fome que o marxismo pretende saciar? A de pão, muitas vezes exagerada nas trombetas da oposição, duplica, num regime totalitário, com a fome de liberdade, sufocaria na garganta.

****

A árvore má não pode dar bons frutos -Todo este preâmbulo é para explicar que, sendo o marxismo uma ideologia intrinsecamente perversa, não há nada que possa fazer de bom. Assim, a justiça e a igualdade sociais que preconiza, na ótica da contradição, se tornam necessariamente más, porque não são frutos da razão, nem do amor nem da verdade, mas da violência, do ódio e da falsa ideologia. Por que falsa ideologia? A justiça e a igualdade sociais que ornam o frontispício do marxismo, não são a sua força motriz, mas a ambição pelo poder. Assim sendo, o proletariado e o povo, tão solenemente reforçados com os despojos da revolução, na realidade, não passam de meios para se atingir os próprios fins. Preciosos antes, descartáveis depois.

Desta feita, uma instituição de caridade que empanturrasse crianças abandonadas com os sobejos da mesa do primeiro mundo, fazendo-lhes concessão do princípio de Teleologia, a despeito da satisfação de necessidades sociais, estaria engordando porcos com caviar e vestindo-os com linho branco para se chafurdarem na lama. Assim também, o saber acumulado nas universidades, em contradição Teleologica, se torna, necessariamente, mais pernicioso do que a própria ignorância.

****



A impunidade unilateral - O cúmulo dos cúmulos do absurdo é o perverso cinismo de Marx na punição dos adversários políticos com as armas da sociedade sublevada. Em seu sistema de Educação programada, punição é palavrão. Rédeas soltas para a infância, a puberdade e a adolescência, programando assim uma cidadania adulterada pela ausência de todos os princípios e fundamentos fixos da sociedade humana, no nome do progresso...

Sem uma linha demarcatória entre o bem e o mal, o certo e o errado, a criança se acostuma a trilhar por todos os caminhos, sem distinguir uns dos outros. O EU se dilata mais do que o mundo, no repúdio à ordem, ao controle social e a todo fundamento fixo da sociedade humana. O cidadão, desvinculado de seu contexto ético, não somente nega qualquer esforço para edificá-lo, como passa a agredi-lo de todas as formas. Onde não há punição, há abuso, e o desregramento passa a ser a norma generalizada no convívio social. Este desregramento adquire duas conotações: 1 - se promove a desordem social, isto é, reforça a tese marxista, é bom; 2 - se reforça o governo, é mau. Cessa, portanto todo caráter de universalidade dos conceitos, como exigência de direito e de fato, para se fixar em tudo quanto seja arbitrariedade sugerida pelo despotismo do bando.

Deformação do caráter nacional - A safra da pseudosofia marxista denegriu o caráter nacional com três traços marcantes: preguiçoso, mentiroso e ladrão. A preguiça é uma decorrência lógica do desestímulo em colaborar com o sistema. A greve substituiu a qualificação para trabalho, através das reivindicações coletivas, além de paralisar o carro do progresso. A concepção de responsabilidade individual foi transferida para a irresponsabilidade do bando. Não existem mais indivíduos, só existem corporações. Um bom marxista não pode ocupar as mãos na construção e a cabeça na demolição do edificio social. A mentira é a decorrência lógica do princípio de contradição. Mesmo na hipótese de se falar a verdade, não tendo, como referencial, o princípio de identidade, torna-se necessariamente uma deslavada mentira, pela particularidade de sua extensão. Não é para todos, não supre universalmente, portanto só vale na perspectiva marxista. Como o marxismo não tem mais o direito de impor seus pontos de vista lógicos em detrimento da verdade ontologica, resulta que sua ótica particular não tem o menor valor nem para si mesmo, levando-se em conta que só o universal tem a prerrogativa do conhecimento científico. O roubo é uma conseqüência da dilatação do EGO, da multiplicação das pretensões do indivíduo e do preconceito de que o governo só existe em função de roubar o povo, portanto, lesá-lo, roubando uns aos outros, é um dever cívico do cidadão.

Somos todos iguais - Todo mundo é ladrão, vivemos no país da ladroagem. Quem não rouba, ajuda a carregar, portanto ladrão é. Rouba-se nos preços, nos pesos, nas medidas, nas quantidades, nas qualidades, tia falsificação da indústria; na sonegação de impostos, na violação habitual das leis, portanto, no maior processo de racionalização e de compensação verbal já vistos no mundo.

O mentiroso e o ladrão são irmãos gêmeos, os dois, filhos do preguiçoso, este, filho do antropocentrismo, neto do monismo, bisneto do individualismo, trineto do positivismo, tataraneto da sofística, todos eles descendentes da árvore genealógica da pseudossofia. O mundo se desembestou pelos caminhos da razão por todas as sendas da ignorância, embutindo-se em si mesmo, na fuga vertiginosa da órbita que lhe foi prescrita nas harmonias cósmicas. A inteligência assumiu o papel de guia de cegos em todos os caminhos do obscurantismo.

Terra da ladroagem - Um país de ladrões é o que somos. Na degeneração do caráter nacional, programada pela educação marxista, uma parte dos educandos, ou melhor, cobaias desse condicionamento ignóbil, se enveredou diretamente para a marginalidade, esmerando-se na linha de frente da criminalidade, sob o protecionismo da jurisprudência, nos confrontos com a lei. A outra parte, instalada mediocremente nos escalões do governo, em toda a trama da administração do patrimônio público e privado, sem os freios morais da educação, só pode concluir, dentro dos limites dessa cosmovisão, que o mal é uma questão de forma. Sendo assim, nada mais fácil do que desviar o curso do património alheio para o próprio bolso, por caminhos esconsos, acobertados pela imunidade parlamentar ou por qualquer outro tipo de privilégio.

A impunidade como manobra ideológica - Se é verdade que o crime anda às soltas sob os auspícios da ideologia marxista, debaixo do manto protetor da jurisprudência, com o Governo a coisa muda de figura. A impunidade "geral" instaurada em todos os setores da conjuntura social é apenas um reforço às rebeldias e à desobediência civil, conquanto tais atitudes são convenientes para desequilibrar o sistema. As forças representantes da lei são coibidas com severidade. Suas vítimas são denunciadas em praça pública e levadas ao tribunal do povo sublevado pelos agitadores profissionais. A maior chibatada que o marxismo deu na cara do Brasil, foi o empeachement do Sr. Presidente da República. Com um rosário de verossimilhanças, conseguiu sublevar o povo, através da manipulação dos meios de comunicação e o domínio absoluto da Casa do povo, com a imposição de uma sentença premeditada para um crime preconcebido.

Não há a menor punição para o educando nos bancos escolares, liberam-se todos os comportamentos na orquestração do crime, exigindo-se, para os criminosos, o mais respeitoso tratamento, numa convivência pacífica. Todos os crimes são acobertados no controle social, depois vão incriminar o Sr. Presidente da República por crimes que não praticou? Ou a impunidade é para todos ou não é para ninguém.

****


— Se as futuras comissões Parlamentares de Inquérito se enxergarem, pouparão tempo e dinheiro à Nação, confessando suas culpas, em vez de se entronizarem na rodilha do próprio rabo, a milimetrar, cuidadosamente, o comprimento do rabo alheio. Os pobres parlamentares ou quem quer que seja, focalizados no esquema geral da corrupção geral, não podem responder sozinhos pelos mentores deste quadro deplorável, programado pela Educação Marxista. Não adianta combater os efeitos sem eliminar as causas. A causa desta roubalheira generalizada no caráter nacional, é, neste século, a IDEOLOGIA MARXISTA.

Comportamento de fuga - O problema da falsa ideologia na Educação pode ser comparado ao comportamento de fuga, em psicologia. É o caso de um rato acender uma lâmpada, para evitar o choque elétrico, que lhe é aplicado no escuro. A lâmpada permanece acesa durante cinco segundos, desligando-se automaticamente, o rato a acende imediatamente. Assim o aluno aprende matemática, história, fisica, arte culinária etc., não pelos conhecimentos em si, mas para adquirirem, através deles, os comportamentos ideológicos, predispondo os esquemas de assimilação ao sofisma da contradição, assim como ao repúdio à ordem vigente, através da substituição da analítica racional por uma dialética sentimental.

A sensibilidade e a imaginação se sentaram no trono da razão, proclamaram sua soberania e fizeram da inteligência uma criada subserviente. Isso justifica a mediocridade, praticamente, a falência de nosso sistema educacional.

Outro ponto de vista para detectar o fenômeno da falsa ideologia na educação marxista entre nós, é o acoplamento de conceitos básicos ao modelo do conhecimento, de modo que profissionais bem intencionados possam carrear o veneno para o próprio celeiro sem se darem conta. Respeitando a liberdade de cátedra, cada professor pode imprimir o objetivo que quiser, ao ministrar tal ou qual conhecimento, todo eles, em conjunto, teledirigidos a um fim que transcende as metas visíveis da educação. Tal fenômeno se dá tanto pela pregação direta como indireta; pela abstenção de qualquer diretividade, como pela pregação contrária. De qualquer maneira a máquina não sai dos únicos trilhos: o marxismo. A eficácia do método não depende, necessariamente, de tal ou qual prática pedagógica, pelo contrário, tem-na garantida em detrimento delas, através do modelo educacional.

Vírus ideológico - Tal não acontece por uma espécie de magia ou encantamento, mas pelo acoplamento do vírus da contradição à célula do conhecimento. Este vírus tem nome e sobrenome, chama-se antropocentrismo monista contraditório. Uma vez instalado na inteligência, ele exige livre curso por todas as veredas do conhecimento, decretando a impunidade como meio de atingir os próprios fins: a contradição. Impunidade unilateral, para as atitudes que convêm aos próprios fins. As mesmas infrações, nos adversários políticos, são punidas com severidade. Incita todos os comportamentos contra a tradição, moldada no princípio de IDENTIDADE.

O antropocentrismo monista contraditório - O vírus AMC, responsável pelo caos social no Brasil e no mundo, é o denominador comum de nossa curtura. Está presente em todas as manifestações do pensamento nacional: na literatura, nas artes, na política, na religião, na educação, no crime...

O fato de eclodir aqui e acolá, em forma de arte, de assistência social, de pseudovirtude ou em qualquer uma das manifestações predominantes do leque da criminalidade, não o exime, em igualdade de condições da responsabilidade por todos os atos de vandalismo, que a própria sociedade repudia, mas não tem força para reprimir, devido á conivência com semelhante princípio genocida, embutido em nosso modelo curtural. Assim a sociedade o ataca verbalmente, reforçando-o substancialmente com a impunidade.

Paradoxo paradoxal - É um paradoxo, na contradição marxista, soltar as rédeas da criminalidade nos países a dominar e exigir honestidade e virtude dos governantes e da policia, só porque representam um obstáculo em seu caminho , na investida contra o poder.

Cada povo tem o governo que merece (Montesquieu), se o brasileiro dessa geração, sob a égide da contradição, foi educado para depredar, saquear, roubar e matar, como não esperar que de tal povo saiam governantes, cuja conduta ilibada, (perante as câmaras de televisão), não passe de uma fachada de virtude, como a do marxismo na enganação do povo para assumir o poder? Isso não é justificativa para o crime, seja lá de quem for, qualquer que seja o bando a que pertença o criminoso. É a denúncia de mais um crime, cometido nas barbas da inteligência cósmica, sob o manto sacrifico da falsa ideologia.

Moralização? - Uma imoralidade de principio não pode servir de base para a moralização. A astúcia marxista não pode continuar menosprezando a inteligência nacional, o espírito de brasilidade, a honra da pátria, tirando proveitos eleitoreiros de um truque tão perfeito: libera os instintos do crime, em todos os quadrantes da sociedade, assistindo de camarote, ao circo pegar fogo na mais sórdida competição de criminosos, para depois sacrificar os governantes, em holocausto público num espetáculo repugnante de catarse nacional.

A raiz da ladroagem - O roubo generalizado em nossa curtura e todos os crimes que vêm sendo cometidos sob a égide do principio de contradição, em conjunto, não se equiparam ao monstruoso crime do grande Falsário: o ratiocídio. Ele entrou ás escondidas, no campo da ONTOLOGIA e roubou a identidade das coisas, a própria alma do ser, tornando-o vazio, enquanto ele, o referencial de todas as verdades do universo, por isso mesmo, transformadas numa grande farsa mundial: o marxismo. Roubou também ao SER a sua finalidade, destinando-o a si mesmo, desvinculado do contexto universal. Um crime praticado contra a Ontologia, entretendo a razão com um festival de frivolidades , para que não perceba a vileza de sua concepção genocida.

Do livro "REVOLUÇÃO CURTURAL - Manifesto contra o marxismo na educação" (1994?)

****

FALSOS RELATIVISTAS "As ideias dos ativistas quase nunca significam o que dizem. Por baixo do seu conteúdo ostensivo escondem um objetivo estratégico que, no plano histórico, virá a constituir seu único conteúdo efetivo quando o jogo dialético das ideias e das ações tiver atingido seu resultado. Assim, por exemplo, durante anos o relativismo serviu de navio quebra-gelo para demolir  resistências a propostas que, por sua vez, nada tinham de relativistas – eram, ao contrário, as mais absolutistas e intransigentes que se pode imaginar." http://www.olavodecarvalho.org/semana/130325dc.html
*
O PRIMEIRO EXPERIMENTO SOCIALISTA
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2015/10/o-primeiro-experimento-socialista.html
*
COMUNISMO - O REINO DO SUBJETIVISMO - OLAVO DE CARVALHO - RELAÇÕES DE PODER PREDOMINAM SOBRE A RELAÇÃO COM A REALIDADE - FALSIDADE HEGEMÔNICA   
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2015/10/comunismo-o-reino-do-subjetivismo-olavo.html
*
A MENTIRA COLETIVAMENTE PARTILHADA TORNA-SE "VERDADE"...
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2014/03/a-mentira-coletivamente-partilhada.html
*
DERRUBAR A MERITOCRACIA ABRE CAMINHO PARA PSICOPATAS NO PODER - MARO FILÓSOFO
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2015/08/derrubar-meritocracia-abre-caminho-para.html   
*
A MENTIRA COMO MÉTODO - Ferreira Gullar, Olavo de Carvalhohttp://conspiratio3.blogspot.com.br/2014/09/a-mentira-como-metodo-ferreira-gullar.html
*
Falsos relativistas Olavo de Carvalho
http://www.olavodecarvalho.org/semana/130325dc.html
*
ESTRATÉGIA CLOWARD-PIVEN - PLANO PARA DERRUBAR UM PAÍS PELA ECONOMIA
https://youtu.be/EmFDcRfTfTU  
*
BOLSAS-ESMOLA E ARMADILHAS. OU COMO SE CAPTURAM PORCOS SELVAGENS
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/12/bolsa-esmola-e-armadilhas-ou-como-se.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário