CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

quinta-feira, 22 de junho de 2017

REPRESSÃO FEROZ À LIBERDADE DE OPINIÃO, CRÍTICA E ACESSO A INFORMAÇÕES - ALEMANHA E CANADÁ



BERLIM - Em uma campanha coordenada em 14 estados, a polícia alemã na terça-feira invadiu as casas de 36 pessoas acusadas de postagens de ódio nas redes sociais, incluindo ameaças, coação e incitamento ao racismo.

A maioria das incursões dizia respeito a incitações direitas de motivação política, de acordo com o Escritório Federal de Polícia Criminal, cujos policiais realizaram pesquisas domiciliárias e interrogatórios. Mas as incursões também atacaram duas pessoas acusadas de conteúdo extremista de esquerda, bem como uma pessoa acusada de fazer ameaças ou assédio com base na orientação sexual de alguém.

"A incidência ainda alta de postagens de ódio puníveis mostra uma necessidade de ação policial", disse Holger Münch, presidente do Escritório Federal de Polícia Criminal, em um comunicado. "Nossa sociedade livre não deve permitir um clima de medo, ameaça, violência criminal e violência na rua ou na internet".

Os ataques ocorrem quando os alemães estão debatendo o rascunho de uma nova lei de mídia social destinada a reprimir o discurso de ódio, uma medida que uma série de especialistas disse que era inconstitucional em uma audiência parlamentar na segunda-feira. Continue lendo a história principal Cobertura Relacionada

O Facebook corre contra as leis de fala do ódio alemão NOV. 28, 2016 Facebook e Twitter podem enfrentar multas na Alemanha sobre postagens de discurso de ódio 14 de março de 2017 O papel do Facebook nas eleições europeias sob escrutínio 7 de junho de 2017

A medida, defendida pelo ministro da Justiça, Heiko Maas, para a passagem deste mês, beneficiaria o Facebook, Twitter e outros pontos de venda até US $ 53 milhões (50 milhões de euros) se não conseguissem remover o discurso do ódio e outras formas de conteúdo ilegal.

De acordo com o direito alemão, os usuários de redes sociais estão sujeitos a uma série de punições para publicar material ilegal, incluindo uma pena de prisão de até cinco anos para incitar o ódio racial.

De acordo com o projeto de estatuto, as redes devem oferecer um processo de reclamação prontamente disponível para postagens que podem ser ameaças, discurso de ódio, difamação ou incitamento para cometer um crime, entre outras ofensas.

As mídias sociais teriam 24 horas para excluir "conteúdo obviamente criminal" e uma semana para decidir sobre casos mais ambíguos. A lei, aprovada pelo gabinete da Alemanha em abril, seria aplicada com multas de até US $ 53 milhões.

De acordo com um recente estudo do governo, o Facebook eliminou apenas 39% do discurso de ódio ilegal dentro de 24 horas em janeiro e fevereiro, apesar de assinar um código de conduta em 2015 comprometer-se a cumprir este padrão. O Twitter apagou apenas 1 por cento.

"Estamos decepcionados com os resultados", disse Klaus Gorny, porta-voz do Facebook, em um comunicado deste ano sobre o estudo. "Temos regras claras contra o discurso do ódio e trabalhamos duro para mantê-lo fora de nossa plataforma".

Mas mesmo quando o Sr. Maas e seus aliados defendem a aprovação parlamentar, oito dos 10 especialistas que testemunharam na audiência parlamentar na segunda-feira disseram que a lei não resistiria ao escrutínio constitucional.

Bernd Holznagel, professor da Universidade de Münster e um dos especialistas participantes, apontou duas violações constitucionais relacionadas à liberdade de expressão: o estatuto dá às empresas incentivos para remover conteúdo e falta um procedimento para que os usuários apelem remoções.

"Nosso tribunal constitucional não permitirá tal estatuto", disse Holznagel. "Eu acho que eles iriam esmagar isso", ele continuou. "O estatuto estabelece incentivos para tirar conteúdo se houver alguma dúvida, então há um incentivo para apagar o discurso, e isso não pode ser mantido.

"O segundo ponto é o outro lado da moeda, porque se há apenas um incentivo para remover, e os direitos do falante que publica o conteúdo?", Acrescentou.

Outros especialistas expressaram a preocupação de que a lei confira empresas privadas com muita responsabilidade policial.

Christian Mihr, outro painelista e diretor-gerente da Repórteres Sem Fronteiras, disse que a lei transferirá indevidamente a autoridade do sistema de justiça da Alemanha para empresas como Facebook e Twitter.

De acordo com o Sr. Mihr, os instrumentos atuais da Alemanha para perseguir os discursos de ódio, conforme demonstrado pelos ataques de terça-feira, estão funcionando. "O ataque mostra que não precisamos desta lei porque já temos instrumentos para perseguir tais crimes", disse ele. Correção: 20 de junho de 2017

Uma versão anterior do título para este artigo equivocava as ações tomadas pelas autoridades alemãs. Eles invadiram as casas de 36 pessoas; Eles não prenderam 36 pessoas.

https://mobile.nytimes.com/2017/06/20/world/europe/germany-36-accused-of-hateful-postings-over-social-media.html?referer=https%3A%2F%2Ft.co%2F3IZpON2jQF

https://www.facebook.com/tercalivre/posts/1870302683236862

***

Cuidado! Com uma das mãos eles dão, com a outra eles tiram em dobro. O relativismo faz pesar mais a opinião que os fatos, é daí que eles extraem a necessidade da censura da opinião, que, por sua vez, institucionaliza a depreciação da verdade objetiva e a supervalorização da opinião. E por aí vai num efeito dominó... As pessoas são manipuláveis apenas quando abandonam seu desejo de conhecer a verdade
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/05/governo-aconselha-os-brasileiros.html

***


O novo código moral (e criminal) politicamente correto foi profundamente discutido, dissecado e esmiuçado pelos maiores e sérios estudiosos em seus fundamentos teóricos e consequências práticas? Foi amplamente debatido e divulgado nas mídias ocidentais? NÃO. Mesmo assim é imposto como o supremo e INCONTESTÁVEL conhecimento que anula tudo o que sabíamos até hoje. Você sabe disso: se não houve transparência nem abertura ao debate, é já a desonestidade intelectual e a má fé autoritária em ação. Isso, que deveria alarmar a maioria, faz todos baixarem a cabeça e silenciar. Por quê? São 2 absurdos: o politicamente correto sendo maquiavelicamente impingido como coisa sabida e normal, e nossa falsa reação de normalidade a essa aberração. Será que a falsidade e o autoritarismo podem ter boas intenções? Não estamos dando boas-vindas à ditadura e ao mal? Por que aceitamos absurdos? E por que desprezamos o alarme que prenuncia os graves acontecimentos que se seguirão? Temos que brecar essa mistificação já.

*
ESTA CENSURA É A ARMA DOS GRANDES CONTRA OS MUITOS, é a última defesa dos que têm poder mas não têm razão nem os fatos a seu favor. Não têm credibilidade para convencer, embora tenham todos os recursos. Então a censura politicamente correta é a censura à verdade, à maioria e à própria normalidade. É feita para calar, amarrar, demonizar e, por fim, exterminar opositores. É feita para aleijar e incapacitar a consciência. Não se entende a esquerda sem estudar PSICOPATAS NO PODER.
MAIS EM:
LULA QUER CENSURA
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/08/lula-quer-censura.html

*
POLÍTICOS TRAMANDO O MAIOR GOLPE DE CENSURA À INTERNET - BRICS CABLE - A MORTE DA INTERNET - QUEM CONTROLA A INFORMAÇÃO, CONTROLA TUDO
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/06/tramando-o-maior-golpe-de-censura.html
 
A DITADURA DA IDEOLOGIA DE GÊNERO NO CANADÁ

Nenhum comentário:

Postar um comentário