CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

CAUE CONTRA O GOLPE MILITAR - INTERVENÇÃO


Cauê e o contra golpe militar 


Intervenção Constitucional, já!
Por Antônio José Ribas Paiva
 

Existe uma confusão conceitual sobre o que seja INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL.

Alguns imaginam que seja uma ação militar, outros, que seria um golpe. Nada disso procede, porque o Exército, o Congresso e a Presidência da República não são fins em si mesmos, mas apenas instrumentos da Nação, que os instituiu.

Exercer o “Republicanismo” é difícil, principalmente, pelos agentes públicos, que exercem o poder, porque existe uma tendência natural de personalizarem o poder dos cargos. Amiúde, confundem o que devem fazer em razão do cargo, com o que gostariam de fazer, por simpatia, crença religiosa ou convicção ideológica.

Recentes declarações de chefes militares, negando que haja necessidade de intervenção constitucional, evidenciam essa tendência de personalizarem o munus que exercem. Do ponto de vista Republicano as Forças Armadas não são parte no processo, mas apenas instrumentos da Nação, e é assim, que os seus membros devem colocar-se: como garantidores das necessidades de segurança e cidadania da Nação.

A INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, prevista no art.142 da Constituição Federal, não é intervenção militar; é intervenção da Nação nas suas instituições, através de um de seus instrumentos institucionais: o Exército, objetivando eventuais correções de rumo ou aprimoramento institucional.

Quando deve ocorrer a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL?

Sempre que os Poderes Constitucionais precisarem de socorro, em razão de omissões ou ilegalidades praticadas por seus dirigentes.

No episódio do escândalo de compra de parlamentares pelo Executivo Federal, com dinheiro público desviado, que denominaram Mensalão, já se fez presente a necessidade de INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, da Nação nas suas instituições.

Por essa ou por aquela razão, naquele momento, não ocorreu a necessária INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL.

Foram trágicas as conseqüências do descumprimento da norma constitucional! Os prejuízos para os brasileiros, em razão daquela omissão são irreparáveis.

Sem a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, naquela época, o desvio de dinheiro público continuou ocorrendo e se acentuou, a ponto da classe política, por omissão e por comissão, depauperar a Petrobras, a Eletrobrás e rapinar todos os projetos nacionais.

Tudo isso, agora, veio a lume, está em todos os jornais e revistas, com nome, sobrenome e endereço de todos os peculatários.

Alguns dos peculatários, que apelaram para o beneficio da delação premiada, já declararam o envolvimento do ex presidente Lula e o da atual presidente da República, desde a época em que era ministra da Casa Civil e presidente do conselho da Petrobras. Um dos delatores afirmou, categoricamente, que parte do dinheiro obtido com o crime de peculato, financiou várias campanhas políticas, inclusive a da presidente Dilma, em 2010.

Resta fazer a pergunta, que não quer calar:

Estão presentes os pressupostos para a intervenção constitucional da sociedade, através de seus instrumentos, em defesa dos Poderes Constitucionais?

Por analogia, quando é chamada a polícia, ela age em nome próprio ou da sociedade? Os policiais podem negar-se a intervir, para impedir a prática de delitos?

A resposta a esses quesitos esclarece a questão e, impõe a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DA NAÇÃO, com fundamento no art 142 da Carta Magna. Intervenção, que já se faz tardia, porque DEMOCRACIA É SEGURANÇA DO DIREITO, individual e coletivo e, essa essência do homem evoluído, não pode ser posta em risco pelo governo do crime organizado. Cumpre à sociedade intervir, para impor a lei!

Tivesse a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL ocorrido em 2005 e agora, em 2014, a economia e os projetos e empresas nacionais não teriam sido saqueados pelo ilegítimo poder vigente. Esses crimes ocorreram porque os mecanismos democráticos institucionais falharam; agora, compete à nação corrigir os desvios e punir os culpados.

Resta chamar a polícia.

INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL JÁ!

Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente da Associação dos Usuários de Serviços Públicos.

****

Na maioria, não são as pessoas que viveram a "ditadura" militar que rejeitam a idéia de intervenção militar (para evitar a ditadura comunista). São as que foram militantes esquerdistas na época, e trazem aquela memória de perseguição que viveram ou temeram, e as que não viveram o período, mas trazem a falsa memória dos fatos pregada pela educação esquerdista. Olavo de Carvalho já comentou em alguns vídeos que os militares estavam numa guerra só contra guerrilheiros e os suspeitos de estar envolvidos com a guerrilha. 

Eu me lembro que na década de 70 e 80 havia grupos esquerdistas e colegas que atuavam muito à vontade e abertamente na minha escola. E não havia, como nunca houve, a contrapartida de grupos de "direita" atuando onde quer que fosse, para dar uma outra interpretação a toda aquela pregação.    

Hoje tenho a impressão de que a "direita" não existe como a esquerda, não se define nem se impõe como a esquerda, não é seu par simetricamente oposto, porque é o estado natural do ser humano, muito mais abrangente e irredutível a qualquer fôrma ou sistema. Suspeito até que direita seja uma categoria criada pela esquerda para nivelar os valores e se inventar como uma segunda opção válida. Então, se vc escolhe não se trair, não matar o valor do indivíduo e do ser, da sinceridade e da verdade, do autoconhecimento, da liberdade de pensar e sentir,  de ser inteiro, da possibilidade do espírito, por tabela vc se afasta da esquerda, como a água se separa do óleo. Não dá para seguir pela esquerda sem uma boa dose de mentira e traição do pensamento. 

Aqui uma outra versão da história do Herzog:
A VERDADEIRA MORTE DE WLADIMIR HERZOG
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/08/a-verdadeira-morte-de-wladimir-herzog.html
 
 
 
 




A MORTE NO CUMPRIMENTO DO DEVER
Sérgio Pinto Monteiro*
https://www.facebook.com/paulo.chagas.98/posts/10202165580300200  

" Era um garoto, que como eu .... amava tantas coisas em sua tão jovem vida.."
Primeiro militar das Forças Armadas morto na GUERRA do tráfico no Complexo da Maré no Rio de Janeiro. Como em uma verdadeira cena REAL de guerra, Michel Augusto Mikami, 21 anos, foi brutalmente assassinado por uma bala certeira em sua cabeça. Uma guerra sem fim nesse país. Daquela que moradores das favelas e de todos os bairros do Rio, já se acostumaram ao longo dessas últimas décadas. Enterrando mortos de todos os lados dessa injusta e desnecessária guerra urbana. Com "direito" até carro blindado do Exército cair em um canal dessa região.
De verdade ?
Parecia daquelas cenas dos filmes famosos sobre guerras reais que já assisti tantas vezes .
Mas, essa é uma guerra gerada e mantida por conta de uma incompetência e omissão do poder público. Por anos sem fim, de fingirem nada perceber sobre essa cruel guerra. Onde apenas os bandidos e chefes dessas facções criminosas, ostentam e possuem artilharia de derrubarem helicópteros.
O jovem Michel Augusto Mikami, 21 anos, já havia servido no Haiti, enfrentando situações extremas de desordem social. Mas, acabou sendo mais uma VÍTIMA desse CAOS SOCIAL na sua própria pátria amada!
Aquela que jurou dar sua própria vida em função dela. Mas, que essa pátria na figura maior de uma PresidANTA incompetente em todos os sentidos, quase nada se faz de concreto na luta contra esses perigosos inimigos em nossa própria terra!
O que fica para esse jovem e Soldado ?
Mensagens INÚTEIS da Dilma, do Governador do Rio e tanta outras dos que sempre ficam em seus confortáveis e luxuosos gabinetes, sem jamais conhecerem e sentirem em suas próprias peles, esse caos da dor e do horror no nosso país!
Um Governo Federal, que tem como chefe maior, uma TERRORISTA que se passa como uma "corajosa guerrilheira". Que, jamais dará importância as Forças Armadas como elas necessitam. Que mantém esse quadro social de guerrilha urbana, como um forte e poderoso aliado eleitoral ou nas suas atividades bem além de regras ou das Leis desse país.
Unidades Pacificadoras em favelas do Brasil, que apenas fazem outros mortos caírem diante desse quadro vergonhoso e triste!
Teve um jovem PM torturado de maneira impiedosa e depois ser assassinado de maneira covarde. Agora teve esse tiro certeiro na cabeça do Michel Augusto Mikami.
Seguimos desse jeito Brasil : morrendo e constantemente ATERRORIZADOS pela INCOMPETÊNCIA e OMISSÃO desse ESTADO! Mas esses jovens não fazem parte do sentimentalismo INDUZIDO por uma mídia cúmplice desse estado!
Não faz parte dessa INDUÇÃO COVARDE. O Brasil chorar e lamentar mortes dos seus MILITARES!
ATÉ QUANDO BRASIL ???
Raquel Santana
 
 ***

Repassando um comentário: A T E N Ç ÃO : A T E N Ç ÃO !!!!!! Não são traficantes que estão atacando  as Forças Armadas. !!!! A T E N Ç ÃO !!!! São Grupos PARAMILITARES contratados pelo ""P T """ . Atentos os novatos, soldados , cabos, sargentos, aspirante e oficiais militares que sou """ S O L D A D O """"" da A N T I G A , 1969 e 1970, época de caça as BRUXAS, participei dessas CAÇAS e nós antigos sabemos muito bem que
há muito tempom foram infiltrados grupos paramilitares no B R A S I L , desde que surgiu o PT, não comandado pelo L U L A , mas sim por grupos do próprio governo federal que fizeram o L U L A como T E S T A D E F E R R O para que eles não apareçam e ficam na surdina e atrás dos panos para não aparecerem. Eliminem o L U L A e a D I L M A que eles vão aparecer, C U I D A D O E A T E N Ç Ã O. Grupos paramilitares estão agindo como se fossem traficantes. Tem de tudo no meio. Ajam de forma diferente com inteligência, coragem e determinação. Filtrem tudo. Façam toque de recolher e tudo mais que um estado de prontidão faz. Conhecem o ditado de ADMINIDTRAÇÂO? JÁ TOMOU SEU C H A , hoje????? C - COMPETENCIA, H - HABILIDADE, A - ATITUDE. Coisas que vcs militares não estão tendo e não estão sabem fazer e executar. Muitos soldados e outros militares vão padecer se vcs que dizem serem treinados não estão sabendo executar, por em prática. Elejam um LÍDER. GENERAL AUGUSTO "" HELENO "" PEREIRA RIBEIRO. Chamem ele para ser líder de vocês. Ele sabe as atitudes que tem que ser tomadas e orientar o exército brasileiro para enfrentar a situação. EU CONHEÇO MUITO BEM ESTE GENERAL. Cordiais Saudações Roberto Vidal
 


****
ALERTA SOBRE O PROJETO DA ROUBANÇA FRATERNA

PARA QUEM DUVIDA QUANDO FALAMOS HOJE NA MANIFESTAÇÃO DE PORTO ALEGRE SOBRE A POUPANÇA FRATERNA, FICA DIRETO DA CAMARA A INFORMAÇÃO....
A sim alguns podem dizer, mas isso é de 2004, um aviso esse assunto está sempre atual, quem governava desde 2004 até hoje???
Então fica aqui o aviso de que tudo acontece na calada da noite equando menos esperarmos isso será uma lei e daí nada poderemos fazer!!
 

O que aconteceu hoje no Senado mostra como é difícil pensar em "intervenção militar". Praticamente por toda parte onde houve intervenção militar contra o Executivo, foi com o apoio claro do Legislativo e do Judiciário, que no Brasil de hoje estão mancomunados com o partido governante, COM O SISTEMA. Uma "intervenção militar constitucional", como muitos pedem, pode derrubar um governo, mas não um SISTEMA. O sistema só pode ser derrubado com a mobilização maciça da sociedade civil, o que subentende o desmantelamento da rede de ONGs e "movimentos sociais" que a parasitam. Isto tem de ser feito pela ação direta na escala local, microscópica, por assim dizer. Uma intervenção militar pode coroar o processo, caso ele não chegue aos seus fins por outros meios.
 
Olavo de Carvalho
Ontem  Não sou nem favorável nem desfavorável a uma "ação militar" porque isso não é assunto de livre escolha e sim de análise estratégica.

Se vocês querem que os militares entrem em ação, façam a sua parte, a qual NÃO É pedir intervenção militar e sim combater o inimigo na sociedade civil.

Civis combatem na esfera civil, políticos na esfera política, militares na esfera militar.

Não combata o comunismo no governo. Combata ONDE VOCÊ ESTIVER.


Um governo provisório imposto pelas Forças Armadas, sem o apoio da grande mídia e do Congresso, e numa sociedade dominada por uma rede de organizações comunistas, só poderia se manter no poder por uma onda de repressão brutal como nunca se imaginou no Brasil, e que com toda a certeza seria respondida pelo outro lado com uma guerra civil ou o apelo a forças estrangeiras.

O comunismo tem de ser com
batido onde ele estiver, e ele não está só no governo como em 1964. Está em toda parte. Está arraigado na sociedade inteira como um parasita endêmico. É quase um automatismo pensar em "cortar a cabeça do monstro", mas o monstro que nos oprime é uma espécie de Hidra às avessas. Tem uma cabeça em Brasília e rabos por toda parte, cada um deles repleto de ovinhos.

Não quero dizer que lutar pelo impeachment é inútil. Digo apenas que ele é menos de cinco por cento do serviço.
7 h · Este foi o principal legado do regime militar: o renascimento brutal e avassalador do movimento comunista.
Os militares que tomaram o poder em 1964 NUNCA PENSARAM em eliminar o comunismo, só a esquerda armada. Aquilo Del Nisso.
É legítimo defender uma intervenção militar, mas não como um remédio mágico a ser aplicado imediatamente e sim só como coroamento final, talvez dispensável, talvez necessário, de uma luta que tem de começar na sociedade civil e ganhar a mídia e o Congresso primeiro.
Uma estratégia paralela, que pode render muito, é o cerco desde o Exterior. O governo petista já perdeu a credibilidade internacional, e as tremendas forças políticas da Europa e dos EUA podem passar por cima do processo local e impor um desenlace. A situação é tal que é preciso apostar em todos os cavalos ao mesmo tempo, mas sempre lembrando: Não parar, não precipitar, não retroceder.
Por que algumas pessoas ficam desesperadas quando constatam a dificuldade da intervenção militar? Sem nenhuma ajuda militar surgiu por meio da internet e praticamente só dela um movimento popular anárquico mas vigoroso, que está só no começo e pode crescer até tornar uma intervenção militar, seja desnecessária, seja inevitável. Por que apostar tudo em quem até agora não fez nada, e nada em quem já fez muita coisa?
Não peçam nada a ninguém, não esperem nada de ninguém. Continuem fazendo o que já estão fazendo, sem parar, sem precipitar, sem retroceder. É só isso.
 
6 h ·  No Brasil, o Estado sempre foi todo-poderoso e a sociedade civil rala, dispersa e inerme. Essa é a origem de todos os nossos males. Não será repetindo "mais do mesmo" que vamos imprimir outro rumo ao país. A recente mobilização espontânea da sociedade civil é O FENÔMENO MAIS AUSPICIOSO DE TODA A NOSSA HISTÓRIA. Coisa muito diferente das pré-fabricadíssimas "Diretas Já" e similares. A sociedade civil tem de se fortalecer, eliminar de si os focos de contágio e dobrar, pela força do número, a espinha dorsal do Estado arrogante. Se as Forças Armadas quiserem colaborar, ótimo. Mas que venham na rabeira do processo e não na frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário