CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

domingo, 12 de janeiro de 2020

MORRE O FILÓSOFO ROGER SCRUTON




Por que Roger Scruton fará muita falta?
“A alta cultura é a autoconsciência de uma sociedade. Ela contém as obras de arte, literatura, erudição e filosofia que estabelecem o quadro de referência compartilhado entre as pessoas cultas.” “A alta cultura é uma conquista precária, e dura apenas se apoiada por um senso da tradição e pelo amplo endosso das normas sociais circundantes. Quando essas coisas evaporam, a alta cultura é substituída por uma cultura de falsificações. A falsificação depende em certa medida da cumplicidade entre o perpetrador e a vítima, que juntos conspiram para acreditar no que não acreditam e para sentir o que são incapazes de sentir.”

https://www.tercalivre.com.br/por-que-roger-scruton-fara-muita-falta/

LIVRARIA
https://livraria.tercalivre.com.br/index.php?route=product/search&search=SCRUTON


.


*

Bernardo Kuster “Penso que estamos perdendo a beleza. E existe o perigo de que, com isso, percamos o sentido da vida”. – Sir Roger Scruton.
Bernardo Kuster Hoje perdemos Roger Scruton, aos 75 anos, autor de mais de 50 livros e uma grande luz nestes tempos. O mestre deixa a mulher, Sophie, e os filhos, Sam e Lucy. Descansou no domingo, o dia do Senhor, deixando um legado cultural incalculável. Obrigado por tudo, Sir Roger. Sinto que perdi um amigo.



Vide Editorial Foi com imenso pesar que recebemos a notícia do falecimento do filósofo Roger Scruton.

Scruton teve uma obra publicada pela Vide, “O Desejo Sexual”, em 2016, e era considerado um dos maiores nomes do conservadorismo na atualidade. Da obra, tiramos a citação a seguir, onde o autor reflete sobre a morte.

“Após a morte, a pessoa permanece conosco em pensamento; enterramos seu corpo, respeitamos tudo o que pertence a ela, e honramos a sua memória. O triunfo do corpo na morte parece, portanto, também uma espécie de vitória da alma.

O corpo é escondido e se deteriora, enquanto o eu permanece inalterado como um objeto de sentimento interpessoal. O amor é preservado no luto, e todas as outras atitudes interpessoais sobrevivem até, eventualmente, diminuírem com a lenta subsidência da memória. Mas o eu persiste apenas como uma idéia na mente do espectador.

Após a morte, eu sou um objeto intencional sem realidade material.”

Descanse em paz, Sir.

*

.

ROGER SCRUTON DEMITIDO POR TRANSGREDIR O POLITICAMENTE CORRETO
https://conspiratio3.blogspot.com/2019/06/roger-scruton-foi-demitido-por-falar-do.html


ROGERS CRUTON FOI VÍTIMA DA PSEUDO-IMPRENSA SERVIÇAL DA DITADURA


O escândalo de Roger Scruton é realmente perturbador. Não por causa do que Roger Scruton disse, mas por causa do que o New Statesman fez. Para marcar um golpe contra um filósofo conservador e conselheiro Tory, que sempre criticou os esquerdistas da maneira errada, o vice-editor do New Statesman dispensou a ética do jornalismo, distorceu deliberadamente uma citação e inferiu o racismo onde, da melhor maneira possível. do nosso conhecimento, não existe.  

Os comentários de Scruton não foram particularmente chocantes, mas o comportamento do New Statesman foi.
Scruton havia sido consultor de habitação do governo conservador. Ontem, ele foi demitido por seus "comentários inaceitáveis" na entrevista do New Statesman , como disse o ministro da Habitação.  

Lendo a cobertura geral da mídia sobre o escândalo e a promoção online da entrevista do New Statesman , você pode ser perdoado por pensar que esses 'comentários inaceitáveis' de Scruton incluíam racismo anti-chinês e anti-semitismo. Mas eles não eram; só parece assim por causa do truque antiético e de cotações virtuais do New Statesman - geralmente um enorme não-não no mundo do jornalismo respeitável.
 
Todos aqueles que pensam que Scruton expressaram ódio racial contra chineses e judeus realmente deveriam ler a entrevista . Eles podem achar que têm mais perguntas para o vice-editor do New Statesman , George Eaton, que conduziu a entrevista, do que para Scruton. Tome as alegações de racismo anti-chinês. Em seu resumo no Twitter dos comentários de Scruton, o Sr. Eaton tem o filósofo dizendo o seguinte: 'Cada pessoa chinesa é uma espécie de réplica da próxima e isso é uma coisa muito assustadora'.  

De fato, seria algo racista a dizer, tocando no estereótipo de que todo o povo chinês parece e se comporta da mesma maneira. Mas não foi isso que Scruton disse. Ele disse: 'Eles estão criando robôs de seu próprio povo ... cada chinês é uma espécie de réplica do próximo e isso é uma coisa muito assustadora.'
 
Então Scruton, ao que parece, estava falando sobre o Partido Comunista Chinês e sua expectativa de conformismo da população, não do povo chinês. Ao tirar seus comentários de contexto, Eaton, ao que parece, voluntariamente, transformou as críticas a um governo tirânico em um insulto racista contra um povo inteiro.  
Mas é ainda pior que isso. Eaton não apenas tirou os comentários do contexto, mas também os mudou, de uma maneira pequena, mas importante. Em seu tweet, seu uso de um 'E' maiúsculo em 'Each' - para fazer a frase 'Cada chinês é uma espécie de réplica da próxima e isso é uma coisa muito assustadora' parece um comentário independente - é, para todos os efeitos, uma citação incorreta. No artigo real da entrevista, o 'cada' possui um pequeno 'e' e é precedido por reticências, porque foi claramente parte de um comentário mais amplo de Scruton sobre a natureza autoritária da China contemporânea.  

Um jornalista deturpou as opiniões de uma figura pública para fazê-lo parecer racista - isso não é mais escandaloso do que a crítica de Scruton sobre o que ele vê como conformismo chinês?
 
E o anti-semitismo ? Novamente, Scruton não diz nada na entrevista que possa ser interpretado como ódio antijudaico, e, no entanto, o New Statesman deduz que ele o fez. Scruton fez comentários críticos sobre o "império Soros" na Hungria. Ele se referia a George Soros, o filantropo húngaro-americano que financia muitos dos chamados "progressistas" think-tanks e instituições. Soros é judeu e, de acordo com alguns observadores liberais, isso significa que qualquer crítica a ele é por definição anti-semita. Esta é uma ideia perversa. Existe um 'império Soros' na Hungria? Certamente não é uma frase que eu usaria, mas é um fato incontestável que Soros financia vários grupos na Hungria e em toda a Europa. A representação de todas as críticas anti-Soros como anti-semitas é desonesta em dois níveis, em particular. Primeiro, ele demoniza e procura silenciar toda discussão pública sobre um bilionário e seus interesses políticos. E em segundo lugar, prejudica seriamente a luta crucial contra o anti-semitismo ressurgente, armando as acusações de anti-semitismo para o fim cínico de silenciar a dissidência de Soros e seu papel político - e isso só pode aprofundar o cinismo deprimente que já existe em relação à seriedade do anti-semitismo.

(...) 
Scruton também disse que islamofobia é uma palavra "inventada pela Irmandade Muçulmana para parar a discussão de uma questão importante". O que há de errado nisso? Eu contestaria que a Irmandade Muçulmana inventou a palavra. Existem tantas reivindicações concorrentes sobre quem a inventou. E no contexto do Reino Unido, foi o Runnymede Trust que o popularizou. Mas parece-nos totalmente incontroverso sugerir que as acusações de islamofobia são usadas para encerrar as discussões sobre o islamismo, o extremismo islâmico, as tensões sociais e culturais e assim por diante. Porque Scruton acha que islamofobia é uma frase usada para acalmar o debate público, ele merece ser demitido? Isso é louco. 

Aqui está a verdade: a maioria dos comentários de Scruton não foi particularmente alarmante ou surpreendente. Ele criticou a aplicação do conformismo pela China, repetiu suas preocupações sobre a crescente influência de George Soros e pediu um debate mais aberto sobre questões relacionadas ao Islã. Exigir o couro cabeludo de alguém porque você discorda de seus pontos de vista é uma das características mais deprimentes de nossa era. Na entrevista, Scruton estava fazendo o que Scruton sempre fez - provocar, desafiar e irritar. É o novo estadista que mudou. Uma revista outrora prestigiada agora distorce e praticamente cita erroneamente como parte de um trabalho de sucesso transparente contra um filósofo cujas opiniões ela não gosta. Nesse escândalo, é a desonestidade e o anti-intelectualismo do novo estadista que devem preocupar aqueles que cuidam do estado da vida pública.
https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=https://www.spiked-online.com/2019/04/11/the-real-roger-scruton-scandal/&prev=search   

*

“A alta cultura é a autoconsciência de uma sociedade. Ela contém as obras de arte, literatura, erudição e filosofia que estabelecem o quadro de referência compartilhado entre as pessoas cultas.” “A alta cultura é uma conquista precária, e dura apenas se apoiada por um senso da tradição e pelo amplo endosso das normas sociais circundantes. Quando essas coisas evaporam, a alta cultura é substituída por uma cultura de falsificações. A falsificação depende em certa medida da cumplicidade entre o perpetrador e a vítima, que juntos conspiram para acreditar no que não acreditam e para sentir o que são incapazes de sentir.”
Roger Scruton
https://www.tercalivre.com.br/por-que-roger-scruton-fara-muita-falta/


"O pesadelo de povos inteiros trucidados ante o olhar indiferente do mundo e os sorrisos sarcásticos dos bem-pensantes repete-se, igualzinho ao dos anos 30.
Oito milhões de ucranianos ameaçados por Stalin poderiam ter sobrevivido se o New York Times não assegurasse que estavam em boas mãos. Seis milhões de judeus poderiam ter sido poupados, se na Inglaterra o sr. Chamberlain, nos EUA os comunistas comprados pelo pacto Ribbentropp-Molotov e na França uma esquerda católica podre, sob a liderança do açucarado Emmanuel Mounier, não garantissem que Adolf Hitler era da paz. A credibilidade dos apaziguadores é uma arma letal a serviço dos genocidas. Mas hoje não é preciso nem mesmo desmentir o horror. Ninguém sabe que ele existe. O mundo estreitou-se às dimensões de uma telinha de TV, de uma manchete de jornal. O que não cabe nelas está fora do universo. A mídia elegante tornou-se o maior instrumento de controle e manipulação jamais concebido pelos supremos tiranos. Joseph Goebbels e Willi Munzenberg eram apenas amadores. Acreditavam em propaganda ostensiva, quando hoje se sabe que a simples alteração discreta do fluxo de notícias basta para gerar nas massas uma confiança ilimitada nos manipuladores e o ódio feroz a bodes expiatórios, sem que ninguém pareça tê-las induzido a isso. O tempo das mentiras repetidas está superado. Entramos na era da inversão total."
Olavo de Carvalho
http://olavodecarvalho.org/para-alem-da-satira/

*
O esforço do homem, durante séculos e séculos, para aumentar o seu grau de conhecimento está sendo substituído por um esforço contrário, lamenta J. R. Guzzo no portal Metrópoles. E o pior é que esse esforço contrário viceja dentro das universidades, supostos centros do conhecimento: 
https://otambosi.blogspot.com/2020/01/vivemos-uma-praga-historica-o-triunfo.html

*
Em 1968, o jovem Scruton percebeu nos militantes marxistas aquilo que chamou de "cultura do repúdio", ou seja, um método de perseguição e censura de toda e qualquer opinião que fosse contrária àquela ideologia.
Ele mesmo experimentou dessa navalha ideológica em diferentes momentos de sua jornada, sendo a última ainda no ano de 2018, quando, vitima de fake news, foi impedido de assumir um cargo não remunerado numa comissão de melhoria habitacional proposta pelo governo britânico.
Para o autor, a experiência reverenciada pela maioria dos pensadores em 1968 não representava um tipo de liberdade, mas sim um tipo de prisão.
Naquele momento, compreendeu que, quando a liberdade está divorciada da autoridade, de nada serve. Scruton compreendia autoridade como respeito às coisas, pessoas e pensamentos que mantêm a integridade do ser no mundo. Este é um traço bastante caro aos conservadores.
Para Roger Scruton, o conservadorismo "[…] surge diretamente da sensação de pertencimento a alguma ordem social contínua e preexistente e da percepção de que esse fato é importantíssimo para determinar o que fazer".
(...)
É no presente que as relações humanas estão estabelecidas, onde o homem se percebe como pertencente ao meio social, onde cria laços afetivos e constrói tradições. Sir Roger ressalta que esses valores e afetos nunca se dão de forma hierarquizada ou imposta; ao contrário, crescem de maneira natural, "[…] de baixo para cima, por meio de relações de amor, de respeito e de responsabilidade".
https://entendendobolsonaro.blogosfera.uol.com.br/2020/01/13/roger-scruton-um-legado-de-beleza-contra-a-destruicao/  

*
(...)
O maior de todos esses problemas foi designado pelo autor como "cultura do repúdio": o pensamento revolucionário, que Scruton testemunhou no Maio de 1968, em Paris, repudia toda a tradição moral e institucional de uma sociedade democrática, em busca de uma quimera em que os homens se encontram radicalmente livres. Para Scruton essa promessa ignora que a liberdade real, por oposição a uma liberdade fantasiosa, necessita de tudo aquilo que os revolucionários destroem (lei, autoridade, tradição moral, etc.).
O resultado desse repúdio, que teve no Maio de 68 feições burlescas, adquiriu contornos trágicos nos grandes movimentos totalitários do século 20.
Na segunda metade do século 20, houve um repúdio mais sutil a que Scruton deu o nome "oikophobia". É, literalmente, um "medo da casa", entendendo-se por casa o Estado-nação. Para Scruton, a União Europeia pretende suplantar essa realidade pela afirmação vigorosa de que o nacionalismo é uma relíquia venenosa da história. 
Ledo engano, avisava o autor.Para começar, imputar ao nacionalismo todas as tragédias da Europa moderna seria como acusar o amor de fomentar a violência doméstica (Chesterton dixit).
O nacionalismo, entendido aqui como lealdade pré-política que expressa um sentimento de pertencimento a uma língua, cultura, religião, memória histórica, etc., é inapagável. Mais ainda: ao ter permitido a emergência do Estado-nação, com uma ordem legal que se assume como territorial, essa lealdade é uma condição necessária para a existência da democracia.  
O regime democrático é uma forma de "gerir descontentamentos". Mas só é possível fazer essa gestão quando, apesar das diferenças, um povo se reconhece como parte de uma experiência histórica comum.
Por outro lado, a erosão do elemento nacional não será apenas uma ameaça ao funcionamento e à legitimidade democráticos. Uma sociedade que se baseia no repúdio desse “sentimento de pertença” não pode estranhar quando esse vazio cultural e espiritual é preenchido por outras lealdades.
A radicalização das comunidades muçulmanas na Europa explica-se também pela ausência de uma identidade nacional forte. Privados dessa identidade, os mais jovens procuram uma outra identidade no radicalismo da religião.Será por isso, pergunto eu, que o extremismo que vejo na Europa não acontece nos Estados Unidos, onde ainda existe um sentimento patriótico robusto?
  
Artigo completo: "Roger Scruton, 1944-2020", João Pereira Coutinho, Folha de SP
  
*
(...)
O maior de todos esses problemas foi designado pelo autor como "cultura do repúdio": o pensamento revolucionário, que Scruton testemunhou no Maio de 1968, em Paris, repudia toda a tradição moral e institucional de uma sociedade democrática, em busca de uma quimera em que os homens se encontram radicalmente livres. Para Scruton essa promessa ignora que a liberdade real, por oposição a uma liberdade fantasiosa, necessita de tudo aquilo que os revolucionários destroem (lei, autoridade, tradição moral, etc.).
O resultado desse repúdio, que teve no Maio de 68 feições burlescas, adquiriu contornos trágicos nos grandes movimentos totalitários do século 20.
Na segunda metade do século 20, houve um repúdio mais sutil a que Scruton deu o nome "oikophobia". É, literalmente, um "medo da casa", entendendo-se por casa o Estado-nação. Para Scruton, a União Europeia pretende suplantar essa realidade pela afirmação vigorosa de que o nacionalismo é uma relíquia venenosa da história. 
Ledo engano, avisava o autor.Para começar, imputar ao nacionalismo todas as tragédias da Europa moderna seria como acusar o amor de fomentar a violência doméstica (Chesterton dixit).
O nacionalismo, entendido aqui como lealdade pré-política que expressa um sentimento de pertencimento a uma língua, cultura, religião, memória histórica, etc., é inapagável. Mais ainda: ao ter permitido a emergência do Estado-nação, com uma ordem legal que se assume como territorial, essa lealdade é uma condição necessária para a existência da democracia.  
O regime democrático é uma forma de "gerir descontentamentos". Mas só é possível fazer essa gestão quando, apesar das diferenças, um povo se reconhece como parte de uma experiência histórica comum.
Por outro lado, a erosão do elemento nacional não será apenas uma ameaça ao funcionamento e à legitimidade democráticos. Uma sociedade que se baseia no repúdio desse “sentimento de pertença” não pode estranhar quando esse vazio cultural e espiritual é preenchido por outras lealdades.
A radicalização das comunidades muçulmanas na Europa explica-se também pela ausência de uma identidade nacional forte. Privados dessa identidade, os mais jovens procuram uma outra identidade no radicalismo da religião.Será por isso, pergunto eu, que o extremismo que vejo na Europa não acontece nos Estados Unidos, onde ainda existe um sentimento patriótico robusto?
  
Artigo completo: "Roger Scruton, 1944-2020", João Pereira Coutinho, Folha de SP
  
* * * * * * * * * * *
Para se ter uma ideia do problema, experimente-se procurar por alguns dos principais nomes do pensamento conservador internacional nos bancos de teses e dissertações da Capes, da BDTD (Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações) ou de alguma de nossas principais universidades. Fiz a experiência e o resultado é digno de nota. Roger Scruton e Russell Kirk, por exemplo, talvez os maiores expoentes do conservadorismo britânico e americano, respectivamente, na segunda metade do século XX (Scruton ainda em plena atividade), não constam nos registros como objeto de estudo, senão apenas como raras e esporádicas citações (e, no caso de Kirk, nem mesmo isso). Simplesmente parece não haver no Brasil trabalhos acadêmicos que abordem detidamente o pensamento desses dois autores, fundamentais não apenas por suas ideias, mas também por serem ambos excelentes historiadores da tradição intelectual conservadora iniciada com Edmund Burke no século XVIII. 
Michael Oakeshott, outro clássico daquela tradição, aparece no banco de dados com apenas um trabalho dedicado especificamente ao seu pensamento. Irving Babbit, Richard M. Weaver, Erik von Kuehnelt-Leddihn, Thomas Sowell, Eugen Rosenstock-Huessy, Theodore Dalrymple, Irving Kristol, Gertrude Himmelfarb, John Kekes, Kenneth Minogue, Jean-François Revel, David Horowitz, Roger Kimball, nenhum desses intelectuais, enfim, figura como objeto de pesquisa nas universidades brasileiras. Os trabalhos que mencionam alguns deles (quase sempre de passagem) são raríssimos, dissolvendo-se como gotas de vinho num oceano de estudos devotados a Marx, Engels, Gramsci, Marcuse, Lukács, Althusser, Sartre, Foucault, Deleuze, Bourdieu e Paulo Freire. No domínio das humanidades brasileiras, portanto, a direita não é mais que uma assombração
A CORRUPÇÃO DA INTELIGÊNCIA - Flávio Gordon
 * * * * * * * * * * *

Conservadorismo
Assim como Edmund Burke, Russell Kirk e Samuel Huntington, Michael_Oakeshott parte do pressuposto de que o conservadorismo não é uma ideologia no acervo de concepções de mundo, uma vez que não é propriamente inventado racional e sistematicamente. Trata-se de uma “disposição”, uma “propensão” ou mesmo um sentimento de “familiaridade” a valores e instituições.[9]
Para o filósofo, não há um projeto de sociedade ideal que deveria ser sobreposto à realidade existente; ao contrário: parte-se desta sociedade e da acumulação de instituições que ao longo da história demonstraram na prática trazer resultados positivos. Segundo Oakeshott, a inclinação conservadora advém do sentimento de quem tem algo a perder, que se aprendeu a valorizar.[10]

*
A ALMA DO MUNDO
https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/09/1916711-em-ensaio-filosofo-roger-scruton-investiga-base-da-humanidade.shtml

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário